Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2010

Texto-"Não saber": Plataforma da Sabedoria

"Não saber":Plataforma da SabedoriaO Homem acha e sempre achou que "as coisas são só e só poderiam ser assim mesmo", quero dizer: não ocorre a quase ninguém, indagar sobre as raízes daquilo a que nos acostumamos a chamar de "realidade",essa realidade costumeira, feita de sóis e planetas, corujas e formigueiros, postes de ferro,sonetos e pedrinhas no sapato;a realidade mesmo,a realidade pura e simplesmente,somatória de todas as coisas , objetivas e subjetivas.
Ninguém pergunta para si mesmo:Que coisa estranha é esta em que me encontro como parte?...A vida e o existir, o cenário que envolve a minha presença...os laços de minha consciência e do meu coração?...

De um modo geral já temos respostas fabricadas ou pelos religiosos,pelos filósofos ou pelos cientistas.
Em cada esquina existe alguém que se considera dono da verdade, naturalmente acompanhado por um círculo de pessoas que lhe dá endosso.

Que me perdoem os "convictos":a questão não é tão simples …

EXPERIÊNCIA...

Eu sorria em certo dia, lá na rua do luar
Quando minha alma de repente começou a chorar.
A menina que ao meu lado, ao milagre olhava
Ficou toda molhada com o molhado da lágrima.
Por que seria? -Pensei que no pecado
A ânsia me invadia, logo a mim que me julgava
Um exemplo de Liberdade da alma?
Seria o preço da ambiguidade, o salário da licença?
A Revelação da perversão da razão do oculto epicurista?
A princípio imaginei ante o íntimo desdouro
Que a verdade e a poesia, fossem falir em meu tesouro,
Pois eu pensei naquele dia que havia
Um torpe inseto dentro de mim
Gerado pelo incerto da alegria
Em contradição com a nostalgia.
E como o sonhador que quando acorda a sonhar continua.
Eu quis me libertar do luar da rua
Pretendendo em abrupto acorde de resistência
Eliminar o pecado e a incoerência,
Incoerência da - a moral,conforme a consciência,
Falta de estética ética, segundo o mundo.
Mas..que seria,refleti pensando em ti,
A realidade do meu anseio, amada?
O retrocesso do confesso ou a par…